Seja Bem vindo!!!

É um prazer receber pessoas novas no blog. Se é a sua primeira vez aqui, seja bem vindo. Se veio pra vandalizar, vê se espirra daqui. Todas opiniões aqui são formadas por mim, e todos os sites e blogs vizinhos dos quais eu precisar, serão mencionados ou comentados. Aproveitem pra comentar sempre que acharem um erro (seja ele de grafia ou conteúdo), e mandem sugestões de matérias caso vocês acharem que estas ficariam legais no blog.

quarta-feira, novembro 03, 2010

Amendoim

Depois de pensar um pouco sobre o que fazer pra uma matéria, resolvi que faria sobre uma coisa bem interessante e que agrada a muita gente: O amendoim. Talvez porque eu tenha comido bastante hoje, e me interessei em fazer algo a respeito. Vão aí a história, benefícios, e assuntos parecidos com aqueles da matéria sobre o café. Boa leitura :D

História:


O amendoim é uma planta originária da América do Sul, considerado como oriundo da região compreendida entre as latitudes 10° e 30° Sul, com provável centro de origem na região de Gran Chaco, incluindo os vales do Rio Paraná e Paraguai e as regiões norte da Argentina e Peru.

Segundo documentação arqueológica de 3800 a 2900 a.C., o amendoim teve sua origem a leste dos Andes e, não se sabe quantos anos ou séculos que o amendoim vem sendo domesticado pelo homem. Segundo Evaristo Eduardo e Miranda, chefe geral da Embrapa Monitoramento por Satélite, o amendoim foi descoberto e explorado muito antes de os atuais índios surgirem.

Em 100.000 a.C. na China, foram encontrados vestígios do amendoim, provas que os chineses já eram grandes cultivadores dessa planta. Povos sul- americanos também mostram que já conheciam a leguminosa, devido o legado de trabalhos de barro (potes e vasos) em forma de amendoim ou que levam desenhos de amendoins. Nos túmulos dos povos Incas eram encontrados potes de amendoim no propósito do defunto alimentar-se na passagem para uma outra vida.

Quando os espanhóis iniciaram sua exploração já se podia encontrar amendoim até no México. Os colonizadores então levaram a planta para cultivar na Espanha, enquanto que os comerciantes da época a levaram para África, Filipinas e por toda Ásia. O amendoim levado pelos portugueses a África, salvou da fome diversos povos do Sahel, no limite do Saara.
Por volta de 1560, o amendoim foi introduzido na África Ocidental, e no início do século XVII, a planta do amendoim já era comum em toda região tropical oeste do continente africano.

A expansão aconteceu também com a ajuda dos escravos que foram levados a América do Norte e carregaram consigo o amendoim, onde plantaram em todo o sul dos Estados Unidos. Nessa região, o amendoim foi até emblema do Estado da Geórgia.

George Washington Carver (1860-1943) implementou o sistema de rotação de culturas entre as plantações de algodão e amendoim, no Sul dos Estados Unidos. Nesse momento, apareceram os primeiros equipamentos que permitiam uma maior mecanização das colheitas, com a conseqüente redução de custo. Carver ainda mostrou que mais de 300 alimentos podiam ser derivados do amendoim.

Em 1938, a indústria do amendoim nos Estados Unidos já era um negócio de mais de US$200 milhões.

Ele é um produto cultivado em todo o Brasil, cujo valor de mercado, interno e externo, rende bons lucros ao produtor. A produção aumentou expressivamente nos últimos anos, alcançando a 300 mil t em 2005. O uso de cultivares de porte rasteiro e mecanização das operações de plantio e colheita são tecnologias que também refletiram em maior produtividade. Estas tecnologias são utilizadas principalmente em São Paulo e no cerrado, onde o amendoim é cultivado em rotação ou em segunda safra. Neste contexto, parte da produção é exportada ou destinada à indústria de alimentos – mais de 50 mil toneladas em 2005.

Benefícios:

Omega-3: Reduz, moderadamente, os níveis de triglicérides no sangue e a pressão arterial. Junto ao Omega-6 previne o envelhecimento, por funcionarem como renovadores celulares.


Magnésio: Importante para a circulação, fortalecimento dos músculos, e para cicatrizações; essencial para o sistema nervoso e para afastar o estresse.

Cálcio: Fortalece a estrutura óssea e previne osteoporose. Deve ser sempre consumido em conjunto com o magnésio.

Vitamina E: Nutriente famoso pela ação de antioxidante, ou seja, de combate ao excesso de radicais livres e prevenção de tumores. E, ainda, é responsável por aumentar a resistência dos músculos ao reduzir dores e preservar o sistema imunológico.

Vitaminas do complexo B: Essenciais ao sistema nervoso são auxiliares na digestão, além de afastarem o mau humor por ajudarem na formação de neurotransmissores como a serotonina, que é sinônimo de bem-estar.

Omega-6: Renovador celular, prevenindo o envelhecimento precoce.

Selênio: Eficácia na redução do estresse celular, físico e emocional.

Ferro: Importante na dieta de gestantes, pois ajuda na formação do sistema nervoso do bebê, bem como no crescimento do feto, além de reduzir infecções comuns na gravidez. Também é extremamente importante ao longo da vida toda, pois é parte das células vermelhas e sua carência é diagnosticada como anemia.


Ácido fólico ou folato: É essencial para a formação correta do sistema nervoso do feto.

Fósforo e Potássio: Ajudam a afastar a fadiga e dão pique total para quem pratica atividades físicas. O fósforo ajuda na formação dos ossos e é fundamental na constituição do rim. Já o potássio, melhora a contração muscular e é um aliado para quem pratica exercícios físicos.

Sem colesterol: Mesmo com alto valor calórico, não contém colesterol por ser de origem vegetal.

Gorduras monoinsaturadas: Ajudam a perder peso, pois são responsáveis por manter o nível de açúcar no sangue estável e ativar o metabolismo da queima de gorduras, além de ajudar a converter os estoques de gordura corporal em energia.

Fibras: Geram saciedade e ajudam no emagrecimento.

A favor da beleza: Além de ser um alimento que possui renovadores celulares e proteger contra o envelhecimento precoce, ter ação antiinflamatória e a proteger os vasos sanguíneos, combatem o enfraquecimento de unhas e cabelos, regulando a oleosidade e afastando dermatites e seborréia.

Em média, há 30% de proteínas nas sementes. Já o óleo contém cerca de 50%. Por ser uma das fontes vegetais com maior quantidade de proteína, o amendoim consegue amenizar a carência das fontes animais em regiões pobres, onde a carne é pouco consumida. Não foi à toa que, em 2004, o governo da Paraíba recomendou a utilização do amendoim nas merendas escolares da rede pública, junto com o gergelim.

Os amendoins são ricos em proteínas, aproximadamente, cada 200 g de amendoim torrado tem 30 gramas de proteína. Pesquisas recentes sobre o amendoim descobriram que ele também é rico em antioxidante e outras substâncias benéficas à saúde.
Eles representam uma fonte significativa do resveratrol, uma substância com potencial efeito retardador do envelhecimento. Por o amendoim ser considerado uma proteína incompleta recomenda-se que ele seja ingerido junto a outros alimentos como grãos integrais ricos em aminoácidos.

Esse alimento é também uma fonte desequilibrada de gordura sendo pobre em ômega 3, e por isso muitos alimentos que utilizam o amendoim como matéria prima são enriquecidos com ômega 3 (assim promovendo o balanceamento entre o ômega 3 e o ômega 6), tais como a manteiga de amendoim.


Malefícios e cuidados:

- Hipertensos devem restringir o consumo de amendoim com sal.

- Diabéticos precisam ter atenção com derivados doces, tais como pé-de-moleque.

- Quem tem alergia à semente precisa prestar atenção nas embalagens de produtos como sabonetes, cosméticos e margarinas, para verificar se há derivados de amendoim em sua composição.

- Deve ser armazenado em locais protegidos de luz, pois é rico em gorduras e pode ficar rançoso com o calor. “Quando comprar, prefira os acondicionados em embalagem escura”, aconselha Dith Mesquita.

- É melhor conservá-lo em locais secos. Repare se a embalagem está intacta, pois o contato com a umidade pode facilitar a proliferação do Aspergillus flavus, um fungo que produz aflatoxina, nociva à saúde.

Curiosidades:

1. Na primeira metade do século 20, foi utilizado pelo governo americano como fonte suplementar de proteínas. Originou-se, aí, a popularização, naquele país, da pasta de amendoim (peanut butter, a famosa "manteiga de amendoim") como substituto da manteiga no café da manhã.

2. No Brasil, até os anos 70, antes da expansão da cultura da soja, o amendoim era largamente empregado na industrialização do óleo doméstico comestível. Seu óleo apresenta boa qualidade, contendo basicamente gorduras insaturadas (cerca de 80%), que ajudam a reduzir o colesterol LDL ruim, trazendo benefícios inegáveis para pessoas com doenças cardio-vasculares, e está também presente nas dietas médicas para diabéticos.

3. O consumo de amendoim no Brasil concentra-se na área de confeitos, salgados e doces, tornando a paçoca e o pé-de-moleque dois verdadeiros ícones da cultura popular. No entanto, nos seus vizinhos da América do Sul, o amendoim compõe o prato principal da dieta alimentar diária do homem.

4. Dado o potencial alimentar e econômico, representado pelo amendoim, muitos produtores, cerealistas e industriais, especialmente os radicados em São Paulo, que detém 90% da produção nacional, trabalham, hoje, com grãos sem a presença da aflatoxina, conforme atestam pesquisadores do Instituto Agronômico de Campinas.


É isso. Mas e você? Não ficou com vontade de comer não? :D

Fontes:

Pró Amendoim

Embrapa

Wikipédia

Dicas e Cia.

Um comentário: